AMBIENTE ACREANO: FUSO HORÁRIO: CRESCE A REVOLTA CONTRA A PASSIVIDADE DE POLÍTICOS
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

segunda-feira, fevereiro 28, 2011

FUSO HORÁRIO: CRESCE A REVOLTA CONTRA A PASSIVIDADE DE POLÍTICOS

Dilson Ornelas
A Voz do Acre

Embora ainda insipientes, começam a surgir manifestações de repúdio contra os políticos que se curvam à manobra do presidente do Senado Federal, José Sarney, pressionado pela TV Globo e Rede Amazônica de TV. O empresário Edson Sidou, que mora há 60 anos em Cruzeiro do Sul, endereça uma carta aos políticos acrianos, onde denuncia que "a vontade expressa do povo no referendo foi transformada em lixo".

De acordo com o senador Sergio Petecão, relator do Projeto de Lei para o retorno do antigo horário, as emissoras de TV querem que o fuso horário do Acre permaneça como está, contrariando o resultado do referendo no segundo turno das eleições de 2010, quando mais de 56% dos eleitores votaram pela volta do antigo horário, de duas horas a menos que o horário de Brasília.

Bastava o presidente do Senado decretar a implantação do horário, já que o Congresso Nacional teria apenas que acatar a orientação do Tribunal Superior Eleitoral, que homologou o resultado do referendo. Nessa semana, deputados estaduais do Acre visitaram José Sarney. Mas ao invés de levarem a revolta da população contra a passividade dos parlamentares, preferiram generalizar e criticar a imprensa acriana como um todo, pela pressão que ela vem fazendo à classe política.

Na manhã de ontem o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em visita às novas instalações da entidade no Acre, declarou que a tentativa de alguns setores em burlar o resultado do referendo é uma maneira de politizar o assunto. Ophir Cavalcante disse que é preciso respeitar o resultado do referendo, porque todo poder emana do povo, e a sua decisão é soberana.

Mais enfático que o advogado, o empresário Edson Sidou, que acompanha política desde o tempo de Getúlio Vargas, afirma que acha estranho o silêncio dos políticos que foram eleitos para representar os acrianos. "Estão omissos, se retraindo como alguém que não tem obrigação de seguir na vanguarda das lutas em beneficio do povo que os elegeu", acusa Sidou.


Veja a íntegra da carta de indignação do empresário Edson Sidou aos políticos do Acre.


Cruzeiro do Sul/AC, sábado, 26 de fevereiro de 2011

Senhores: Governador, Senadores e Deputados do Acre,

Integro a comunidade cruzeirense desde 23 de Maio de l951 quando aqui cheguei para dar minha modesta contribuição no desenvolvimento desta cidade distante, sofrida, mas hospitaleira e muito querida Cruzeiro do Sul.

Nesses 60 anos vivenciei momentos dos mais variados: Alegrias, tristezas e algumas decepções. Assisti diversas resoluções políticas, desde a época de Getulio Vargas, passando por regimes totalitários, e alguns tipos de democracias, inclusive aquela de saudosa memória, em que a vontade expressa da maioria do eleitor nas urnas, tinha poder de decisão. Ninguém ousava contestar. Era LEI e LEI com letra maiúscula.

Hoje invade no meu peito de octogenário, a tristeza de sentir e ver a um verdadeiro ultraje na Constituição do País. A vontade expressa de um povo em um REFERENDO, processo legal em todas as normas, sobre o necessário retorno ao antigo HORARIO DO ACRE, transformada em lixo, desrespeitada e habilmente ultrajada, por interesses pecuniários de emissoras e políticos que não vivem a realidade do povo acreano e em especial a do cruzeirense.

De repente levanta-se o questionamento, será que também o processo eleitoral que elegeu os senhores: governador, senadores e deputados das três casas, não deveriam ter o mesmo destino? Ou seja, tornar-se sem valor, uma vez que foram eleitos pelo mesmo processo e pelos mesmos eleitores.

Sinto vergonha senhores de uma situação desta em nosso País, Estado, e especialmente em nossa cidade que por ser a mais ocidental, nota-se de modo diferente os efeitos desse decreto que não foi pedido e muito menos desejado.

O que mais estranho é não ver os nossos defensores - aqueles que colocamos no comando para nos defender -, se pronunciarem. Estão omissos, se retraindo como alguém que não tem obrigação de seguir na vanguarda das lutas em beneficio do povo que os elegeu.

Esperamos merecer dos nossos "generais" políticos, um grito bravo e destemido, para o resgate dos males sofridos na nossa Constituição e enfim sentirmos orgulho do nosso Brasil, de seu maravilhoso hino e "deitarmos eternamente num berço esplendido".

Edson do Vale Sidou
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home