AMBIENTE ACREANO: POLUENTES AMBIENTAIS CONTRIBUEM PARA BAIXO PESO DE RECÉM NASCIDOS
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

quinta-feira, setembro 17, 2009

POLUENTES AMBIENTAIS CONTRIBUEM PARA BAIXO PESO DE RECÉM NASCIDOS

Duas das principais fontes de liberação do dióxido de enxofre na atmosfera são as indústrias que usam carvão e produtos derivados do petróleo e os veículos que utilizam combustíveis fósseis

Renata Moehlecke
Agência Fiocruz de Notícias

Poluição por ozônio é principal causa de baixo peso de crianças ao nascer

Pesquisadores da Universidade de Taubaté, em São Paulo, investigaram o papel de poluentes ambientais como fatores de risco para o baixo peso de bebês ao nascer em uma cidade de porte médio do Sudeste (São José dos Campos, no mesmo estado) e identificaram que o dióxido de enxofre e, principalmente, o ozônio são os principais agentes responsáveis por esse efeito na localidade.

O estudo, publicado na revista Cadernos de Saúde Pública da Fiocruz, apontou que 99 recém-nascidos (3,95% do total da amostra analisada) apresentaram redução no peso devido aos poluentes em questão.

“O presente estudo preenche uma lacuna na pesquisa sobre os efeitos de poluentes do ar no peso ao nascer em cidades de porte médio no Brasil”, afirmam os estudiosos no artigo. “A maior parte dos estudos nessa área no país foram realizados em cidades grandes”. Para a pesquisa, foram selecionadas crianças com mães entre 20 e 34 anos, segundo grau completo, com sete ou mais consultas de pré-natal realizadas, gravidez única e parto normal.

Foi considerado baixo peso ao nascer aquele inferior a 2,5 quilos. Além disso, os pesquisadores assumiram que as concentrações de poluentes eram homogêneas por toda a cidade e que todas as mães foram igualmente expostas a eles durante o período analisado. “Visto que eram gestações normais, as mães estavam livres para circular ao redor da cidade e, posto que as concentrações eram consideradas homogêneas, a exposição foi considerada constante”, comentam os estudiosos.

Segundo os pesquisadores, o achado mais importante desse estudo, com resultado diferente do de outras pesquisas conduzidas no Brasil, foi o papel do ozônio no baixo peso dos recém-nascidos. “O efeito do ozônio pode envolver mecanismos inflamatórios. A gravidez é acompanhada por um aumento da ventilação alveolar”, explicam os estudiosos. “A hiperventilação resulta no aumento da absorção de ozônio, com uma resposta inflamatória e a liberação de produtos de peroxidação lipídica e citocinas. Esses agentes podem afetar a circulação na placenta e colocar em risco o crescimento fetal”.

Os pesquisadores esclarecem que duas das principais fontes de liberação do dióxido de enxofre na atmosfera são as indústrias que usam carvão e produtos derivados do petróleo e os veículos que utilizam combustíveis fósseis. Com relação ao ozônio, a presença dessa substância próxima à superfície do planeta se deve a reações fotoquímicas entre outros poluentes, como oxidações que envolvem nitrogênio, na presença de radiação solar.

(Arte: Rodrigo Carvalho)
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home