ambiente acreano: DIFERENÇAS ENTRE O PERNILONGO COMUM E O MOSQUITO DA DENGUE
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

quarta-feira, março 11, 2009

DIFERENÇAS ENTRE O PERNILONGO COMUM E O MOSQUITO DA DENGUE

Pesquisador aponta as diferenças entre A. aegypti e o pernilongo doméstico

Marcelo Garcia
Agência Fiocruz de Notícias

Um é muito ágil, se reproduz em água limpa, ataca em plena luz do dia e transmite a dengue, doença que tem preocupado a população nos últimos verões. O outro prefere a madrugada, põe seus ovos em água suja rica em matéria orgânica e atormenta as noites de sono com seu zumbido. Os dois espreitam nas sombras, dentro de casa, esperando a oportunidade de se alimentar com sangue necessário para produzir seus ovos. Com o verão, acelera-se o ciclo reprodutivo e de desenvolvimento dos dois mosquitos mais urbanos do mundo: o Aedes aegypti, o já conhecido vetor da dengue, e o Culex quinquefaciatus, o pernilongo doméstico. O pesquisador José Bento Pereira Lima, do Laboratório de Fisiologia e Controle de Artrópodes Vetores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), alerta que, para controlar a população dos dois insetos, é preciso entender as diferenças entre eles e eliminar seus criadouros, sejam os focos de água parada e limpa, no caso do A. aegypti, ou suja, no caso do Culex.

[Lima: os dois mosquitos apresentam muitas diferenças entre si. Além de preferirem criadouros diferentes, ovos, larvas e os próprios indivíduos adultos das duas espécies são muito distintos (Foto: Gutemberg Brito)]

Com a frequência das chuvas durante o verão, é comum encontrar pelas ruas e calçadas depósitos de água suja e cheia de matéria orgânica em decomposição. Muitas vezes, quando a população encontra larvas de mosquitos nesses depósitos, assim como em valões e esgotos a céu aberto, acredita estar diante de criadouros do mosquito transmissor da dengue. No entanto, José Bento reforça que o A. aegypti só deposita seus ovos em água limpa, não necessariamente potável, mas com pouco material orgânico em decomposição. Reservatórios com água suja e contaminada são criadouros potenciais do Culex. Apesar de conviverem bem no ambiente doméstico e dividirem os mesmos abrigos, o pesquisador explica que existem muitas diferenças entre as duas espécies.

É muito comum na época de chuvas encontrar larvas de mosquitos em águas sujas, cheias de material em decomposição, como esgotos e fossas. Essas larvas podem ser de A. aegypti?

José Bento Pereira Lima: Não. É importante lembrar à população que o A. aegypti só deposita seus ovos em águas limpas. Suas larvas não conseguem sobreviver em reservatórios poluídos, com dejetos e muita matéria orgânica. Quando são encontradas larvas em poças com água contaminada, muito barrenta, em esgotos a céu aberto, em valões ou outros criadouros semelhantes, certamente não são larvas de A. aegypti. Provavelmente, trata-se de larvas de Culex quinquefaciatus, o pernilongo doméstico. Ao contrário do A. aegypti, o Culex prefere colocar seus ovos em criadouros bastante poluídos, com muita matéria orgânica em decomposição.

[Diferentemente do A. aegypti, que dissemina seus ovos por diversos criadouros, o Culex deposita na água, sempre juntos, no mesmo criadouro. Uma substância viscosa os une, formando uma “jangada” com dezenas de ovos, de pé, flutuando na água (Fotos: Gustavo Rezende)]

Quais são os criadouros preferenciais dos dois mosquitos?

Lima: O A. aegypti só põe seus ovos em água limpa, não necessariamente potável, mas obrigatoriamente com pouco material em decomposição. Por isso, é importante reforçar para a população que o controle do vetor da dengue deve ser feito mediante a eliminação de reservatórios de água limpa e parada: tampar caixas e tonéis de água, desentupir ralos que possam acumular água, jogar fora pneus velhos, evitar deixar garrafas e recipientes que possam acumular água da chuva em área descoberta e virá-los de cabeça para baixo, e eliminar pratinhos com água embaixo dos vasos de planta, por exemplo. Depósitos de água suja e contaminada, esgotos, valões, fossas e todo reservatório de água com muito material orgânico são os criadouros preferenciais do Culex. Portanto, água contaminada acumulada e esgotos a céu aberto têm grande importância para a saúde pública, pois podem causar diversos problemas à população, mas não se configuram como criadouros potenciais do mosquito transmissor da dengue.

Ao lado do A. aegypti, o Culex é considerado uma das mais importantes pragas urbanas do mundo. Quais as diferenças entre os dois mosquitos?

Lima: O Culex é considerado uma espécie cosmopolita, ou seja, presente em quase todo o mundo, e é ainda mais urbano que o A. aegypti. Os dois têm uma preferência por se alimentar de sangue humano e estão muito associados à presença do homem. No Brasil, quando nos afastamos de cidades e áreas urbanas, é difícil verificar a presença de qualquer um dos dois. Todo o seu ciclo de vida, o acasalamento e a postura dos ovos, se dá dentro ou próximo de domicílios. Apesar disso, os dois mosquitos apresentam muitas diferenças entre si. Além de preferirem criadouros diferentes, ovos, larvas e os próprios indivíduos adultos das duas espécies são muito distintos. Dentro das casas, é fácil diferenciá-los: quando adulto, o Culex tem uma coloração marrom e as pernas não possuem marcação clara, enquanto o A. aegypti é mais escuro e tem marcações brancas no corpo e nas patas.

[O A. aegypti é escuro e apresenta marcações brancas nas pernas e no corpo, enquanto o Culex tem coloração marrom. Além disso, os dois têm hábitos bastante diferenciados em relação aos seus criadouros preferenciais e horários de maior atividade]

É muito comum encontrar as duas espécies dentro das casas, em praticamente todas as regiões do Brasil. Como elas se relacionam no ambiente doméstico?

Lima: O A. aegypti está muito mais ativo durante o dia, em especial no início da manhã e no fim da tarde, se alimentando de sangue para maturar seus ovos. É um mosquito totalmente diurno. É bom lembrar que isso não significa que ele não pique à noite. É um mosquito oportunista: se o morador deixar uma perna ou braço exposto próximo ao abrigo do A. aegypti, provavelmente será picado mesmo à noite. O Culex, por sua vez, é um mosquito noturno, que prefere se alimentar no horário em que as pessoas estão em repouso. À noite, no escuro, ele é atraído pelo gás carbônico emitido na respiração humana, voando próximo do rosto, e só depois escolhe um local para picar. É por isso que costumamos ouvir zumbidos tão característicos de sua aproximação. O A. aegypti é um mosquito discreto, raramente notado quando se alimenta de sangue, e muito arisco, fugindo com qualquer movimento mais brusco. O Culex chega fazendo barulho próximo ao ouvido e não é tão difícil de apanhar quanto o outro. Dentro das residências os dois convivem bem e costumam ser encontrados nos mesmos abrigos: debaixo de mesas, atrás de móveis, entre cortinas e em nichos de estantes, por exemplo.

As larvas dos mosquitos também apresentam diferenças morfológicas e de comportamento?

Lima: Existem algumas diferenças entre as larvas dos dois mosquitos, como o tamanho da cabeça e do tórax, maiores no Culex, e a forma do cifão respiratório, menor e mais grosso no A. aegypti. Outra diferença é a sensibilidade à luz. As larvas dos dois mosquitos têm fototropismo negativo, o que quer dizer que não convivem bem com o excesso de luz e, por isso, procuram as partes mais escuras dos criadouros. Porém, a aversão à luz é muito mais acentuada no A. aegypti. As larvas tendem a se acumular no canto mais escuro dos focos, enquanto as de Culex estão mais espalhadas por todo o criadouro. Se aproximarmos um feixe de luz de um foco, as larvas dos dois mosquitos se afastam, mas no A. aegypti esse movimento de fuga é muito mais acentuado.

[As larvas do Culex (em cima) preferem água suja, com grande quantidade de matéria orgânica em decomposição. As de A. aegypti (abaixo) não resistem em ambientes poluídos]

Quanto ao ciclo de desenvolvimento, as diferenças são significativas?

Lima: Em geral, o A. aegypti e o Culex têm um tempo de desenvolvimento parecido, que varia de acordo com a temperatura, levando cerca de oito a dez dias no verão. No inverno, ambos têm ritmo de desenvolvimento mais lento.

Uma das principais dificuldades no controle da população do A. aegypti é a grande resistência de seus ovos ao ressecamento. O mesmo ocorre com o Culex?

Lima: Não. Os ovos das duas espécies são muito diferentes. O A.aegypti põe os ovos na parte úmida próxima à lâmina d’água e não diretamente na água. Eles são capazes de ficar até um ano no seco e permanecer viáveis, capazes de originar mosquitos adultos quando encontram as condições propícias para eclodir. Juntas, essas características são muito importantes para a dispersão do mosquito e para a epidemiologia da dengue, uma vez que os ovos podem ser carregados para outras regiões pela ação humana e resistir até as chuvas do próximo verão, dificultando as ações de controle. Outra característica importante para a epidemiologia da dengue é que a fêmea do A. aegypti costuma depositar seus ovos em diferentes criadouros na mesma postura. O Culex coloca seus ovos diretamente na água, sempre todos juntos, no mesmo criadouro. Envolvendo cada um deles existe uma substancia viscosa que os prende uns aos outros, formando uma “jangada”, formada por dezenas de ovos de pé, grudados entre si, flutuando na superfície da água. Os ovos do Culex não têm resistência à dessecação e murcham quando retirados da água, não sendo mais viáveis.

Quantos ovos estas espécies chegam a colocar, em cada postura?

Lima: A quantidade de ovos colocados pelos dois mosquitos depende muito da quantidade de sangue ingerido, que é necessário para a maturação dos ovos. Em geral, as duas espécies costumam colocar cerca de cem ovos por postura, mas esse número pode chegar a 150 ou 200.

[Os ovos do A. aegypti (esq.) têm grande resistência à dessecação, podendo podendo permanecer fora da água por até um ano. Os ovos de Culex (dir.) murcham assim que são retirados da água]

O A. aegypti é o vetor da dengue, responsável pelos casos da doença que ocorrem no Brasil. O Culex também tem importância para a saúde pública?

Lima: O Culex não transmite o vírus da dengue. Porém, além do incômodo que gera para a população, em algumas regiões do Brasil ele é responsável pela transmissão da filariose e de algumas arboviroses. O Culex é o principal vetor da filariose, popularmente conhecida como elefantíase. A doença é causada por vermes nematóides, conhecidos como filárias, que se alojam nos vasos linfáticos do hospedeiro, podendo levar, na fase crônica, ao inchaço e aumento excessivo dos membros inferiores. A predileção do Culex por sangue humano e seu hábito noturno facilitam a transmissão da doença. À noite, quando o indivíduo infectado está em repouso, as filárias deslocam-se para os vasos periféricos, ficando mais próximas da superfície da pele, o que facilita a infecção do mosquito quando este se alimenta de seu sangue. Apesar da incidência da doença ter diminuído muito no Brasil nas últimas décadas, ela ainda representa um problema grave em algumas regiões do país. O Culex é capaz de transmitir outras arboviroses, em especial encefalites e febres hemorrágicas graves, como a causada pelo vírus Oropouche, que no Brasil já ocorreu no Pará e em Rondônia. Além disso, o acúmulo de água contaminada e a existência de valões e esgotos a céu aberto, criadouros preferenciais do Culex, são demonstrações da falta de infraestrutura de algumas regiões do país e podem ser relacionadas a outras importantes doenças que ameaçam a população.
Publicado por Evandro Ferreira 9 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

9 Comments:

Anonymous Robson L. Guimarães said...

Excelente artigo! Uma ótima referência para o esclarecimento da população.
Parabéns!

20:47  
Anonymous Darlan D. said...

excelente artigo. Bem esclarecedor para tirar duvidas sobre ambas espécies, parabéns.

07:34  
Blogger Lisiane said...

Excelente mesmo, tirou minhas dúvidas e tenho certeza que ajudará muitas pessoas. Parabéns.

14:08  
Blogger Leonardo editor said...

Muito obrigado Evandro pelas informações.Estou no meu 5ºdia contagiado pela dengue e tenho manchas pelo corpo todo. Suas informações me foram de grande ajuda.Agora já conheço mais sobre o transmissor da doença e tomarei as devidas preocauções. Deus o abençõe.

10:34  
Anonymous Anônimo said...

como eu me previno dos dois mosquitos

12:03  
Anonymous Anônimo said...

estou com medo de ficar com demgue

12:04  
Anonymous Anônimo said...

Estou com medo de ter dengue em minha casa...Eu ja vi mosquito aqui igual a da Dengue...O que eu faço.O mosquito ja me picou e não apareceu nenhum sintoma...O que faço??????????

18:53  
Anonymous Anônimo said...

Exelente informação , acabei de exclarecer minha duvida a respeito da caracteristica do tal, essa porra tava no meu escritorio agora pouco ......vou abater esse meliante agora mesmo......obrigado pelas informações

15:02  
Blogger DONO said...

nossa!!MT bomm ,cara mt obrigado mesmo tiro minha duvida,pq eu matei um mosquito q tinha um négocio branco mas agora eu vi q era pernilongo mt obrigado fiquei co mt medo mas graças adeus eu estou bem agora!obrigado ;D
abração

13:56  

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home

Photobucket