AMBIENTE ACREANO: VIAGEM REFAZ EXPEDIÇÃO DE EUCLIDES DA CUNHA AO ACRE
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

domingo, março 08, 2009

VIAGEM REFAZ EXPEDIÇÃO DE EUCLIDES DA CUNHA AO ACRE

Evandro Ferreira
Blog Ambiente Acreano

Uma equipe de Estado de S. Paulo formada pelo repórter Daniel Piza e o fotógrafo Tiago Queiroz (foto) partiu no sábado para Sena Madureira onde tomou m um barco, o mesmo que irá realizar as atividades do 'projeto cidadão' ao longo do rio Purus, para refazer parte da expedição de Euclides da Cunha ao referido rio em 1905.

Na sexta a tarde (06/03) concedemos entrevista à equipe do Estadão, falando de nossas duas viagens à aregião. A primeira, em fevereiro de 2008 com duração de 16 dias ao longo do rio Chandless e seus tributários, e a segunda, que durou 15 dias, em Santa Rosa e adjacências.

Expedição conta com do movimento Euclidiano do Acre

A viagem ao Purus é uma oportunidade impar para os Euclidianos do Acre, liderados pelo Desembargador Arquilau de Castro Melo, que junto a outros colegas estudiosos da vida e obra de Euclides da Cunha, realizam anualmente em Rio Branco a 'Semana Euclidiana'.

Recentemente, o movimento lançou o livro “Estratos do Relatório e do Diário de Marcha da Comissão Mista-Brasileiro-Peruana de Reconhecimento do Auto-Purus”, onde são detalhados o dia a dia da expedição de Euclides da Cunha ao rio Purus.

A viagem da equipe do Estadão ao Acre faz parte de um projeto jornalístico, cultural e multimídia do Grupo Estado cujo títutlo é “O Ano de Euclides”, que celebra o centenário da morte do escritor.

A expedição tem, segundo matéria publicada no Estadão.com, enorme significado cultural e sociológico pois a expedição amazônica de Euclides da Cunha representa um período ainda pouco conhecido na vida do escritor. Se em Canudos ele descobre a figura do sertanejo, no Alto Purus depara-se com o seringueiro em sua concepção áspera da vida. “O seringueiro rude, ao revés do artista italiano, não abusa da bondade de seu deus (...). É mais forte. É mais digno. Resignou-se à desdita. Não murmura. Não reza”, escreveu no livro póstumo À Margem da História".

Traumatizado pela experiência de Canudos, Euclides combateu a ideia de o Brasil entrar em guerra com o Peru pela posse do que seria hoje uma parte do Estado do Acre. Condenou o envio de tropas à região, defendeu um acordo por via diplomática e acabou sendo incumbido pelo Barão do Rio Branco para chefiar a Comissão Brasileira de Reconhecimento do Alto Purus. Sua missão: fazer o levantamento cartográfico da região e determinar a nascente do rio que separa os dois países.

Ao refazer o mesmo trajeto 104 anos depois, Daniel Piza estabelecerá pontes entre passado e presente. “O que terá mudado desde a ida de Euclides? O que permanece igual? O que restou intacto? Encontraremos rastros da expedição?”, pergunta-se. Assessorados por pesquisadores e gente da região, repórter e fotógrafo já percorrem rios acreanos. Passarão pelo município de São Brás, onde o barco de Euclides naufragou, chegarão a Triunfo, localidade da primeira reunião da comissão bilateral, cruzarão a fronteira e finalmente alcançarão o Rio Cujar, na cabeceira do Purus. Há um século, Euclides e seu grupo atracaram em margens peruanas como náufragos. Estavam famintos, extenuados, tomados pela malária.

A expedição poderá ser acompanhada em boletins pela Rádio Eldorado, notícias em tempo real no portal estadao.com.br (clique na imagem ao lado para ir para a página da expedição) e matérias no próprio jornal (caderno Vida&).

Serão relatos colhidos no desenrolar da aventura, compondo um grande “diário de expedição”, depois transformado e ampliado em publicações especiais.

Com informações do Estadao.com
Foto: Tiago Queiroz
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home