AMBIENTE ACREANO: BREVE HISTÓRIA DA ASCENSÃO E QUEDA DO COMÉRCIO DO ‘MARFIM VEGETAL’ NO MERCADO MUNDIAL
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

terça-feira, junho 26, 2012

BREVE HISTÓRIA DA ASCENSÃO E QUEDA DO COMÉRCIO DO ‘MARFIM VEGETAL’ NO MERCADO MUNDIAL


Evandro Ferreira
Blog Ambiente Acreano

Marfim vegetal é um nome popular dado às sementes da palmeira jarina, conhecida dos acreanos, e de outras cinco espécies de palmeiras botanicamente relacionadas encontradas no sudoeste da região amazônica, norte da América do Sul e Panamá, na América Central. Nos países hispânicos, o nome popular mais utilizado é tágua, que se aplica indistintamente às espécies encontradas no Panamá, Equador e Colômbia.  A designação marfim vegetal deriva do fato das sementes destas palmeiras apresentarem características físicas como a cor branca e uma dureza extrema que em tudo lembra o marfim extraído de alguns animais africanos.

A designação do nome científico da jarina está relacionada a esta característica. Quando, entre 1779 e 1778, os exploradores espanhóis José Antonio Pavón Jiménez e Hipólito Ruiz López encontraram a palmeira jarina em algum lugar na floresta peruana, lhes chamou a atenção não apenas as sementes, mas também os frutos disformes, com projeções lenhosas irregulares que davam a impressão de possuir algum tipo de má formação. Por essa razão eles a batizaram de Phytelephas, um nome derivado de uma palavra grega que se traduz como planta (=Phyto) elefante (=elephas). Um perfeito nome de batismo, pois além de expressar as características dos frutos, ele também remete às características das sementes, que lembram o marfim extraído das presas dos elefantes.
Segundo os historiadores, a descoberta da utilidade das sementes de tágua pelos europeus foi quase uma coincidência. Um navio que navegava da América do Sul para a Alemanha em 1865 levava como lastro um grande carregamento de sementes de tágua. Ao chegar ao porto de Hamburgo, as sementes começaram a ser descartadas, mas os carregadores do porto conseguiram recuperar parte delas e observaram sua semelhança com o marfim animal, então importado livremente da África. Desde então, as sementes de tágua e de jarina passaram a ser conhecidas no mercado internacional como ivory-nut ou vegetable ivory.
O ciclo econômico de exploração das sementes dessas palmeiras nas florestas da América do Sul e da América Central que se seguiu durou cerca de cinquenta anos e foi tão marcante que no Brasil e nos outros países produtores até hoje é comum se chamar as sementes de marfim vegetal, uma tradução literal do nome comercial em inglês.
As primeiras estatísticas sobre a produção de sementes de marfim vegetal são da Colômbia, no período de 1840-1841, quando ela significava uma pequena porcentagem das exportações daquele país. Em fins de 1860, as exportações destas sementes já tinham se transformado em um dos cinco maiores produtos de exportação da Colômbia e do Equador. Na virada do século, as exportações destes dois países para os Estados Unidos e a Europa atingiam mais de 40 mil toneladas anuais.
Para o Equador, a exportação de marfim vegetal foi ainda mais importante e os primeiros registros de exportação das sementes deste país datam de 1865. Em 1929 as exportações do Equador atingiram 25.791 toneladas.
No princípio, as sementes de marfim vegetal eram mais utilizadas para a confecção artesanal de pequenos objetos de decoração, o mesmo tipo de uso do marfim animal. Entretanto, com a revolução industrial em pleno vapor, máquinas para a fabricação de botões a partir das sementes do marfim vegetal foram criadas e imediatamente causaram um grande boom no comércio das sementes.
A fabricação de botões a partir das sementes de marfim vegetal representava um dos setores industriais mais importantes no final do século XIX e início do século XX. Em 1920, 20% de todos os botões produzidos nos Estados Unidos eram feitos a partir destas sementes. Nesta época a maioria das indústrias estava localizada nas cercanias de Nova Iorque, então um importante pólo de produção têxtil.
Entretanto, da mesma forma que ocorreu com muitos corantes e fibras têxteis naturais, o marfim vegetal foi substituído por produtos sintéticos mais baratos. Por volta de 1930, os primeiros materiais plásticos rudimentares, conhecidos como baquelite, começaram a substituir as sementes de marfim vegetal como matéria-prima para a produção de botões.
As exportações da Colômbia começaram a declinar nos anos 20 e cessaram por completo em meados de 1935. No Equador a produção continuou, mas as exportações declinaram depois de 1941, por ocasião da entrada dos Estados Unidos na Guerra, e desapareceram da pauta de exportação daquele país por volta de 1945. A descoberta de polímeros plásticos na década de 50 pôs um fim na demanda para as sementes e provocou o completo desaparecimento da indústria americana de botões de marfim vegetal alguns anos depois.
Sobre a produção na Amazônia brasileira no início do século XX, Onofre de Andrade, em seu livro “Amazônia, esboço histórico, geographia physica, geographia humana e ethnographia do rio Juruá” (1937) informa que o “o Juruá já attingiu a exportação de 100.000 kgs, annualmente. Se o transporte fosse fácil, a exportação poderia subir a mais de 1.000.000 kgs. O Rio Envira, sobretudo, é privilegiado em matéria de jarina”. No Brasil a última fábrica de botões feitos com sementes de marfim vegetal fechou nos anos 70.
Digno de nota o fato da maioria das sementes de marfim vegetal exploradas durante o boom comercial do início do século XX ter sido extraída das palmeiras Phytelephas aequatorialis (Equador), Phytelephas tumacana, Phytelephas macrocarpa ssp. schottii (Colômbia) e Phytelephas seemannii (Colômbia e Panamá). A nossa jarina (Phytelephas macrocarpa), nunca fez muito sucesso porque apresenta uma importante diferença de suas con-gêneres: as sementes são de tamanho muito menor, limitando o seu uso.
Até hoje a produção de botões no Equador nunca cessou por completo e pequenas indústrias continuam a produzir discos não beneficiados de marfim vegetal que são exportados para o Japão, Alemanha e Itália para a fabricação de botões usados em vestuários de alto preço.
No Acre, a maior utilidade das sementes do marfim vegetal é para a confecção de objetos artesanais, especialmente pequenas esculturas e biojóias.

Para saber mais:
- Armstrong, W. P. 1991. Vegetable ivory: saving elephants & South American rain forests. Zoonooz 64(9): 17-19.
- Barfod, A. 1989. The rise and fall of the vegetable ivory. Principes 33(4): 181-190.
- Barfod, A., H. B. Pedersen & B. Bergman. 1990. The vegetable ivory is still alive and doing fine in Ecuador. Economic Botany 44(3): 293-400.
- Costa, M. L.; S. F. S. Rodrigues; H. Hohn. 2006. Jarina: o marfim das biojóias da Amazônia. Revista Escola de Minas 59(4): 367-371.
- Dalling, J. W.; K. I. Harms; J. R. Eberhard; I. Candanedo. 1996. Natural history and uses of tagua (Phytelephas seemannii) in Panama. Principes 40(1): 16-23.

Crédito das imagens (de cima para baixo): Natural Button Ecuador, Quito and Ecuator: the lando of Ecuador; Vegetable Ivory (W. P. Armostrong). 

Link para Fábrica de Botôes de Marfim Vegetal no Equador
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home