AMBIENTE ACREANO: GASODUTO URUCU-PORTO VELHO (1)
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

domingo, março 23, 2008

GASODUTO URUCU-PORTO VELHO (1)

Na conjuntura atual, a sua construção, caso seja concretizada, vai atender unicamente aos interesses de empreiteiras e políticos em busca de projeção pública

Evandro Ferreira
Blog Ambiente Acreano

O site Rondoniagora.com informa que o Senador Valdir Raupp (PMDB-RO) voltou a cobrar do governo federal, no dia 18 de março, a construção do gasoduto Urucu-Porto Velho.

A cobrança foi feita durante audiência com o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, à qual compareceram os demais membros da bancada rondoniense, como a senadora Fátima Cleide(PT) e os deputados Natan Donadon(PMDB), Mauro Nazif(PSB) e Eduardo Valverde(PT).

Política é uma coisa interessante.

No início do mês o Governador do Amazonas, Eduardo Braga, discutiu com o presidente Lula, com a ministra Dilma Rousseff e com a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Graça Foster a questão do uso do gás de Urucu. Segundo ele (veja matéria abaixo), o trecho Urucu-Porto Velho não vai mais ser construído porque a Aneel negou a a sub-rogação da Conta de Consumo de Combustível, indispensáel para a viabilidade da obra.

Diante de tal notícia, fica clara a pouca força política da bancada do Estado vizinho pois o máximo que conseguiu foi audiência com o Ministro de Minas e Energia.

A insistência na construção desse gasoduto denota ainda a falta de visão, bom senso e civismo por parte da classe política rondoniense.

Como todo mundo sabe, e os rondonienses mais do que ninguém, as duas grandes hidrelétricas do rio Madeira, cuja construção é iminente, terão capacidade de gerar energia elétrica de sobra para atender à demanda não apenas de todo o estado de Rondônia, mas também do Acre. E por muitos anos.

É tanta energia que a maior parte vai ser vendida para outras regiões do país. Para isso o Governo Federal já autorizou a interligação, via linhão, do sistema elétrico do Acre e Rondônia ao resto do país.

Então porque insistir na construção do gasoduto? Como justificar a sua construção se o gás tem como objetivo primordial a geração de energia elétrica que vai ser suprida em breve pelas hidrelétricas do rio Madeira?

O uso industrial do gás é injustificado porque os parques industriais do Acre e Rondônia não demandam tal quantidade de energia. O consumo residencial do gás está descartado porque demandaria investimentos pesados na instalação da rede de distribuição.

Se não é viável para a geração de energia elétrica e para o consumo industrial ou residencial, para que iria servir esse gasoduto? Consumo veicular? É um luxo que não podemos nos dar.

Em resumo: na atual conjuntura, investir recursos públicos no gasoduto não faz o menor sentido.

Infelizmente, como tem sido demonstrado de forma recorrente em nosso país, em política tudo é possível. Portanto, nós, os contribuintes, temos de ficar atentos para que esse elefante branco não seja construído.

Não podemos baixar a guarda e devemos fazer o que for possível para impedir que recursos públicos sejam investidos nessa obra. De outra forma os bolsos de empreiteiros gananciosos, funcionários públicos corruptos, e mesmo políticos inescrupulosos, poderão ser os principais beneficiários da mesma.

É bom deixar claro que sou contra a construção do gasoduto usando recursos públicos. Se alguma empresa privada tiver interesse em arriscar recursos próprios na construção do mesmo, acho que o governo deveria dar todas as licenças e conceder o uso do mesma. Mediante licitação, é claro.
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Envie este artigo para um amigo