AMBIENTE ACREANO: PECUÁRIA NA AMAZÔNIA
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

quarta-feira, julho 23, 2008

PECUÁRIA NA AMAZÔNIA

Pecuária na Amazônia? ‘Perdas incalculáveis’. Entrevista especial com Peter May

IHU On-Line

Hidrelétricas, pecuária, soja, cana… São todos problemas atuais da Amazônia brasileira. Há dois meses no cargo de Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc ainda não mostrou realmente a que veio, segundo o ambientalista Peter May. Em entrevista à IHU On-Line, concedida por telefone, May analisa os problemas pelos quais a Amazônia vem passando e critica o governo federal. “O fato é que esse bioma é um dos mais ameaçados e um dos mais preciosos que nós temos no Planeta e qualquer incursão a ele implicaria em perdas incalculáveis. Por isso, qualquer abertura para a pecuária significa uma perda infinita”, reagiu à afirmação do Ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, que disse que é mais fácil acabar com a pecuária do que com a Floresta Amazônica.

Peter May é graduado em Artes Liberais, pelo The Evergreen State College, nos Estados Unidos. É mestre em Planejamento Urbano e Regional, pela Cornell University, nos Estados Unidos, onde também obteve o título de doutor em Economia dos Recursos Naturais. É pós-doutor pela University of Califórnia. Atualmente, é consultor da Ong Amigos da Terra Amazônia Brasileira, secretário-executivo do Instituto Rede Brasileira Agroflorestal, professor da Universidade Federal Fluminense e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, membro do International Society for Ecological Economics e diretor da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. É autor de Economia do meio ambiente: teoria e prática (Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2003) e O reino do gado: uma nova fase na pecuarização da Amazônia brasileira (São Paulo: Amigos da Terra-Amazônia Brasileira, 2008), entre outros livros.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Foi anunciado ontem que a construção das usinas do Xingu seriam canceladas, exceto a usina de Belo Monte. Segundo o governo, essa atitude foi uma concessão aos ambientalistas e facilitará o licenciamento de Belo Monte. Qual é a sua opinião sobre esse fato?

Peter May – Essa é uma reivindicação que a comunidade ambientalista e os povos de comunidades indígenas da região, como principal grupo afetado por esse empreendimento, fazem há tempo. Agora, há sempre risco de que esse tipo de declaração não seja seguido. Há mais de dez anos, quando houve o primeiro encontro de povos da floresta em Altamira, foi cancelado qualquer aproveitamento de hidrelétrica e aí ressurgiu Belo Monte das cinzas. Por isso, não podemos contar com tal informação, uma vez que esse tipo de cancelamento não é permanente. Mas pelo menos, por enquanto, mostra que há uma preocupação com os possíveis impactos que esse empreendimento no Xingu, principalmente acima de Belo Monte, poderiam causar.

IHU On-Line – Em relação às políticas públicas na Amazônia, o que se sobressai sobre as decisões do governo: a questão política ou a questão econômica?


Peter May – A meu ver, está tudo misturado, de certa forma, porque os fatores de pressão que estão resultando na expansão da fronteira agropecuária são estritamente econômicos, associados com os bons preços de commodities de carne e soja no mercado internacional. Isso causa uma insurgência de maiores pressões sobre áreas para ocupação pecuária. Mas a capacidade de frear e achar alternativas para ocupação desses espaços depende de vontade política e determinação para fiscalizar e fazer valer as leis em termos de onde deve e como se deve aproveitar e utilizar espaços nesse bioma. Tratas-se de uma questão política e econômica.

IHU On-Line – O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse que é mais fácil acontecer a extinção da agricultura brasileira do que acabar com a floresta. Como esse tipo de afirmação repercute no movimento ambientalista?

Peter May – Esse é o típico papo de setores ruralistas que estão preocupados em mostrar que não têm limites a expansão da agricultura. Mas o fato é que esse bioma é um dos mais ameaçados e um dos mais preciosos que nós temos no Planeta e qualquer incursão a ele implicaria em perdas incalculáveis. Por isso, qualquer abertura para a pecuária significa uma perda infinita.

IHU On-Line – Qual é o principal problema social da Amazônia, já que estamos falando de quem convive diariamente com todos esses problemas envolvendo a região?


Peter May – O problema é como promover boas práticas de ocupação e uso racional de espaços que já foram desmatados e degradados e que precisam ser recuperados para poderem fornecer bens de serviços de utilidade para sociedade. Isso implica em investimentos de recursos públicos e privados nesse tipo de restauração de produtividade. É mais barato para o pecuarista explorar a fronteira. Precisamos recuperar os solos degradados e deixados de lado pela atividade agropecuária.

IHU On-Line – Como repercutiu o pedido de demissão do diretor de ações para Amazônia do Ministério de Meio Ambiente, André Lima?


Peter May – Ele teve razão em pedir demissão. Ele, como militante na causa ambiental há mais de 20 anos, ficou frustrado. Ele foi para o governo porque viu uma oportunidade de fazer valer as propostas que tinha coordenado junto com comunidades e ONGs no sentido de lutar contra o desmatamento. Esse foi o convite que recebeu na época. Quando Marina saiu, ele parou para observar se o Carlos Minc ia dar certo. Mas não devemos esperar seriedade apenas do Minc. As propostas dessa natureza necessitam de apoio da Casa Civil, da Presidência, do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Agrário. Ou seja, é preciso haver uma conciliação de propostas do governo para poder ter seriedade. No momento, isso não acontece claramente. Há muitos questionamentos no ar. Esse negócio de colocar dois ministros trabalhando no projeto Amazônia Sustentável disputando o mesmo espaço é ridículo, uma indicação de que estão querendo dividir a área e fazer com que não haja nada. Isso nos deixa muito assustados.

IHU On-Line – E a sua avaliação dos primeiros meses de Minc no ministério do Meio Ambiente?

Peter May – Estamos pagando para ver, mas não vimos nada ainda.

(www.ecodebate.com.br) entrevista publicada pelo IHU On-line, 21/07/2008 [IHU On-line é publicado pelo Instituto Humanitas Unisinos - IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home