AMBIENTE ACREANO: ÁRTICO MAIS QUENTE DO QUE NUNCA
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

sexta-feira, setembro 04, 2009

ÁRTICO MAIS QUENTE DO QUE NUNCA

Temperatura no Ártico deveria estar caindo e não subindo a ponto de serem as mais elevadas em 2 mil anos, indica estudo publicado na Science. Ação humana seria o motivo da reversão na tendência

Mais quente do que deveria

Agência FAPESP – As temperaturas recentes verificada no Ártico são as mais elevadas em pelo menos 2 mil anos, aponta uma nova pesquisa. O trabalho, que reuniu registros geológicos e simulações feitas em computador, aponta que a região setentrional do planeta deveria estar esfriando – e não esquentando –, se não fosse a ação das emissões de gases estufa, que deturpam os padrões climáticos naturais.

O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade do Norte do Arizona e do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, foi publicado na edição desta sexta-feira (4/9) da revista Science.

Os pesquisadores reconstruíram temperaturas nos verões no Ártico nos últimos 2 mil anos, divididos por décadas – até então, os dados existentes eram referentes a apenas 400 anos –, para concluir que o processo de esfriamento gradual que começou há milhares de anos deveria ter continuado.

“Os resultados são particularmente importantes porque o Ártico, talvez mais do que qualquer outra região da Terra, encara impactos dramáticos promovidos pelas mudanças climáticas. Esse estudo fornece registros de um período extenso que revela como os gases estufa gerados pelas atividades humanas estão influindo no sistema climático natural do Ártico”, disse David Schneider, do NCAR, um dos autores do estudo.

A análise das temperaturas no verão na região indicou uma queda média de 0,2ºC a cada mil anos. O mais recente patamar de menores temperaturas ocorreu durante a “pequena era do gelo” que teve início no século 16.

A alteração no ciclo orbital da Terra ocorrida nos últimos 7 mil anos levou ao processo de esfriamento, mas essa tendência foi anulada pelo aquecimento derivado das atividades humanas no século 20.

Como consequência, as temperaturas no verão no Ártico, no ano 2000, estiveram em média 1,4ºC mais elevadas do que seria de se esperar apenas pela tendência de esfriamento.

“Esse estudo apresenta um claro exemplo de como o aumento na emissão dos gases estufa está alterando o nosso clima, ao anular pelo menos 2 mil anos de esfriamento”, disse Caspar Ammann, do NCAR, outro autor do trabalho.

O artigo Recent warming reverses long-term arctic cooling, de Darrell Kaufman e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.

(Foto: divulgação)
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home