AMBIENTE ACREANO: CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA DAS PINAS FOLIARES DE Astrocaryum murumuru Mart. (ARECACEAE)*
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

quarta-feira, dezembro 14, 2011

CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA DAS PINAS FOLIARES DE Astrocaryum murumuru Mart. (ARECACEAE)*

Evandro José Linhares Ferreira (1, 2)

1. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA/Núcleo de Pesquisa do Acre.
2. Herbário do Parque Zoobotânico da Universidade Federal do Acre.

INTRODUÇÃO

Os caracteres anatômicos das folhas das palmeiras tem valor diagnóstico não apenas ao nível genérico, mas também ao nível específico e se estima que entre 50 e 60 deles podem ter importância taxonômica, evolutiva ou biológica.

O presente trabalho é uma contribuição ao estudo anatômico das folhas da palmeira murumuru (Astrocaryum murumuru Mart.), uma espécie nativa de grande importância sócio-econômica na Amazônia cuja gordura extraída dos frutos é usada domesticamente para a elaboração de sabão e industrialmente na produção de cosméticos, especialmente cremes para a pele e cabelo. Ela ocorre naturalmente em florestas de várzea ou áreas ocasionalmente alagadas e se distribui por quase toda a Amazônia. No Brasil ocorre desde o Pará até o sul do Amazonas, inclusive Acre e em Rondônia.

É uma palmeira cespitosa, fortemente armada com longos espinhos negros, de pequeno a médio porte e podendo atingir até 15 m de altura. Apresenta 8-15 folhas pinadas, rígidas, com até 6 m de comprimento e 38-133 pinas lineares em cada lado da raque. As pinas estão regularmente arranjadas e dispostas em um plano. Os frutos maduros são amarelados, oblongos a obovóides, com 3,0-8,5 cm de comprimento e 2,0-4,5 cm de diâmetro, o epicarpo é espinuloso ou piloso e o mesocarpo carnoso e oleoso.

METODOLOGIA

Para este estudo foram retiradas amostras de 3 exsicatas do herbário NY (Noblick et al. 5024; Prance et al. 30662; Beck & Souza 273). De cada uma, retirou-se 3-5 amostras de 4-5 cm de comprimento da porção mediana de folíolos da região central das folhas. Amostras, com nervura central (NC) e as margens foliares (MF), foram mantidas glicerina-álcool (70%). A reidratação durou 12-24 horas e incluiu vácuo (12 p.s.i.), 3 lavagens em água deionizada (15 min. cada) e fixação em FAA.

Para o clareamento das folhas, seções de 2-3 cm com a NC e uma das MF foram colocadas em NaOH 5% na estufa (60°C) até o clareamento. No preparo de epidermes, amostras de 1 cm² foram mantidas em solução de Jeffrey (Ácido Nítrico 10% : Ácido crómico 10% + 10 g tetróxido de cromo) por 4-5 dias. As folhas clareadas e as epidermes foram coradas com Safranina (0,5%) e montadas com Kleermount.

Para os cortes transversais, amostras com 1-2 cm, incluindo a NC e uma das MF, foram desidratadas (série alcoólica-etílica ascendente até álcool 100%), emblocadas em parafina e seccionadas em micrótomo rotativo (SPENCER). As secções foram coradas com solução aquosa de Safranina (1%) durante 12 horas e Astra Blue (0,5%) durante 1 hora e montadas com Kleermount. As lâminas foram examinadas e fotografadas em microscópio ótico.

RESULTADOS

Nervura central (NC): proeminente acima; 2-3 camadas de clorênquima; parênquima com 2-5 feixes vasculares grandes e 3-4 feixes menores. Células de expansão: 2-3 camadas conspícuas adjacentes à NC. Pêlos: ausentes. Epiderme: cera epicuticular abundante, persistente, transversal e fusiforme; paredes celulares não sinuosas; células adaxiais costais e intercostais indistintas, romboedrais-retangulares, em filas distintas; células abaxiais distintas. Estômatos: restritos às regiões intercostais da face abaxial, em fileiras de 2-6 unidades; células subsidiárias terminais arqueadas sobre as células-guardas. Hipoderme: 1-camada em ambas as faces, comprimidas acima e abaixo das nervuras maiores. Clorênquima: mesófilo paliçádico em 2 camadas distintas, mesófilo esponjoso em 4-5 camadas compactas. Células de tanino: presentes. Fibras não vasculares: feixes cilíndrico-ovóides, adaxiais. Nervuras primárias: arredondadas, abaxiais, delimitadas por 1-2 camadas fibrosas. Nervuras secundárias: ovóides, proeminentes abaixo. Nervuras terciárias: arredondadas, não proeminentes. Nervuras quaternárias: ausentes. Nervura marginal: proeminente, com 3-6 camadas fibrosas externas. Floema: veias distintas nas grandes nervuras. Nervuras transversais: largas e curtas, formando um padrão irregular.

CONCLUSÃO

A estrutura anatômica dos folíolos de Astrocaryum murumuru é similar a de outras espécies do gênero previamente estudadas (A. gynacanthum e A. jauari). Em comum, as espécies citadas apresentam estômatos dispostos em filas distintas apenas na face abaxial, abundante presença de cera epicuticular na face adaxial e nervuras transversais formando um padrão irregular ao longo da lâmina.

A presença abundante de cera epicuticular nestas espécies Amazônicas de Astrocaryum não é fácil de ser justificada. Essa estrutura usualmente está mais associada com espécies encontradas em ambientes secos ou indivíduos na condição epifítica, pois ela serve como principal barreira protetora contra a perda de água por transpiração excessiva, radiação solar excessiva, ação de patógenos e entrada de contaminantes nos tecidos vegetais. A palmeira murumuru e outras espécies de Astrocaryum da Amazônia são geralmente espécies de sub-bosque que recebem pouca radiação solar direta, e crescem em ambientes temporariamente alagados, portanto, com abundante disponibilidade de água. Por outro lado, a presença de cera epicuticular se justifica nas espécies de Astrocaryum nativas do cerrado brasileiro, onde a disponibilidade de água é baixa e radiação solar elevada.

Palavras-chave: Astrocaryum, anatomia foliar, Palmeira.

*Trabalho originalmente apresentado durante a 63a. Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência realizada em Goiania-GO, em julho de 2011.
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home