AMBIENTE ACREANO: FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA: GLÓRIA OU DRAMA? (*)
Google
Na Web No BLOG AMBIENTE ACREANO

terça-feira, outubro 20, 2015

FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA: GLÓRIA OU DRAMA? (*)

Evandro Ferreira
Blog Ambiente Acreano

Nestas últimas semanas o debate sobre o uso da substância fosfoetanolamina sintética em tratamentos de câncer foi intenso nos sites de notícias e nas mídias sociais. E a polêmica aumentou desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, no dia 08/10, decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que impedia o fornecimento da substância produzida pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), em Rio Claro, para uma paciente com câncer do Rio de Janeiro.

Mas qual a razão para tanta discussão e debate? Que milagres contra o câncer a fosfoetanolamina sintética pode operar?

Quem se detém nas notas generalistas dos sites de notícias e em postagens inflamadas nas mídias sociais tem a impressão que a substância é ‘tiro certo’ para a cura do câncer. E vou além. Postagens nas mídias sociais conseguiram transformar os responsáveis pela produção da fosfoetanolamina na USP em quase ‘heróis nacionais’. Segundo alguns, os pesquisadores brasileiros são ‘cientistas tupiniquins que lutam bravamente contra a manipulação de multinacionais que querem, a todo custo, impedir a produção da substância milagrosa’. Tem até quem afirme que ela, a fosfoetanolamina, foi invenção desses ‘Dom Quixotes’ brasileiros.

O primeiro aspecto que contribuiu para a grande visibilidade adquirida pela fosfoetanolamina foi, obviamente, o seu potencial de uso contra o câncer, uma doença com alta taxa de mortalidade que não discrimina sexo, idade e classe social e que afeta anualmente aproximadamente 14 milhões de pessoas no mundo, causando, direta ou indiretamente, a morte de mais de 8 milhões delas. Segundo a OrganizaçãoMundial de Saúde (OMS), nos próximos 20 anos espera-se que o número de casos anuais da doença aumente 70%, para mais de 23 milhões.

Apesar de ser uma doença antiga, reportada desde 25oo anos antes de Cristo, e dos avanços fabulosos da medicina nas últimas décadas, a busca da cura para a maioria dos tipos de câncer não produziu resultados tão espetaculares como nos casos de numerosas doenças infecciosas como a AIDS, tuberculose, poliomielite, meningite e malária. Por isso, novidades no tratamento da mesma tem a capacidade de atrair tanta atenção.

No caso da fosfoetanolamina sintética, um fator contribui sobremaneira para a sua popularidade: a divulgação irresponsável de que a mesma pode aliviar, fazer rescidir ou mesmo curar alguns tipos de câncer em humanos sem que testes clínicos rigorosos tenham sido realizados.

A substância não é nova para a ciência e foi isolada pela primeira vez há quase 80 anos (1936). Desde então centenas de estudos já foram realizados e se descobriu, entre outros aspectos, que ela está relacionada com a ocorrência de convulsões epiléticas e Alzheimer. Em sua forma orgânica foi verificado que apresentava concentração 10 vezes acima do normal em tumores, levantando-se a hipótese de um possível papel na defesa celular. 

Diante do seu potencial, um grupo de pesquisadores da USP, liderados pelo químico Gilberto Chierice, conseguiu sintetizar a fosfoetanolamina em laboratório e resolveu testar a mesma em células cancerígenas. Os ensaios efetuados até agora foram in vitro e in vivo. No primeiro, células cancerosas são tratadas em garrafas de vidro ou plástico e no segundo os estudos são feitos em animais vivos (in vivo). Neste caso tumores humanos são colocados em ratos e a substância é aplicada para avaliar o potencial de reduzir os tumores sem ser tóxica a ponto de causar a morte dos animais.

Os resultados alcançados na USP foram promissores. A fosfoetanolamina se mostrou eficaz contra o melanoma, câncer de mama, leucemia e como inibidor da metástase de alguns tipos de câncer. Entretanto, o fato de uma substância ser capaz de matar células cancerosas in vitro ou em animais de laboratório não é o suficiente para que possa ser considerada eficaz em humanos. A água sanitária, por exemplo, pode matar células cancerosas, mas sua injeção no corpo humano tem o poder de matar o seu receptor. Por isso, depois das fases experimentais in vitro e in vivo em animais de laboratório, é indispensável realizar testes clínicos em humanos para conhecer sua eficácia e toxicidade.

Anualmente dezenas de substâncias promissoras contra o câncer são testadas em condições de laboratório, muitas delas mais promissoras que a fosfoetanolamina. Entretanto, em média apenas uma de cada 25 substâncias promissoras mostram-se eficientes no tratamento do câncer em humanos.

A fosfoetanolamina sintética estudada pelos pesquisadores da USP nunca chegou a ser testada em humanos e está sendo distribuída de forma irresponsável– já faz alguns anos – para ‘voluntários’ que se apresentam na porta do laboratório de química que o produz. Esta situação é uma aberração ética e científica indescritível para a qual cabe perfeitamente a abertura de investigação policial por charlatanismo.

A situação, entretanto, ganhou notoriedade apenas quando a USP proibiu a distribuição do ‘remédio’. Pessoas desesperadas apelaram para a justiça e, acreditem ou não, nossa maior instância judicial, o STF, ‘liberou’ para a população uma substância que sequer pode ser chamada de remédio, pois nem licença de venda possui.

Isso foi suficiente para a imprensa investigar o caso. Questionado, o professor Gilberto Chierice fez declarações que só pioraram a situação, afirmando à revista ÉPOCA que achava que a fosfoetanolamina ‘é uma cura para o câncer’. Ao portal de notícias G1 ele declarou que o ‘remédio’ ainda não chegou ao mercado por ‘má vontade’ das autoridades e afirmou, laconicamente que ‘se não for possível aqui – a produção da forma medicinal da fosfoetanolamina – a melhor coisa é outro país fazer porque beneficiar pessoas não é por bandeira. A humanidade precisa de alguém que faça alguma coisa para curar os seus males’.

Alguém discorda disso? Eu não. Mas confesso que não consigo entender porque, com uma substância tão promissora, o professor e seus colegas da USP não formam uma equipe multidisciplinar para realizar os testes clínicos e desenvolver o produto no Brasil. Um médico pesquisador brasileiro se propôs a ajuda-lo e foi, discretamente, recusado. Afinal o que ele quer fazer? Quer ir avante e desenvolver o remédio ou não?

Tinha que ser no Brasil! Um enredo tão promissor para contar de forma gloriosa os passos de um avanço científico grandioso para a ciência brasileira corre o risco de se transformar em um enredo para descrever o drama de um fracasso.

Para saber mais:

Ferreira, A. K.; Santana-Lemos, B. A. A.; Rego, E. M.; Filho, O. M. R.; Chierice, G. O.; Maria, D. A. Synthetic phosphoethanolamine has in vitro and in vivo anti-leukemia effects. British Journal Of Cancer, v. 109, n. 11, p. 2819-2828, nov 26 2013.

Ferreira, A. K.; Meneguelo, R.; Pereira, A.; Filho, O. M. R.; Chierice, G. O.; Maria, D. A. Synthetic phosphoethanolamine induces cell cycle arrest and apoptosis in human breast cancer MCF-7 cells through the mitochondrial pathway. Biomedicine & Pharmacotherapy, v. 67, n. 6, p. 481-487, jul 2013.

Ferreira, A. K.; Freitas, Vanessa M.; Levy, D.; Maria Ruiz, J. L.; Bydlowski, S. P.; Grassi Rici, R. E.; Filho, O. M. R.; Chierice, G. O.; Maria, D. A. Anti-Angiogenic and Anti-Metastatic Activity of Synthetic Phosphoethanolamine. PLoS One, v. 8, n. 3 mar 14 2013.

Ferreira, A. K.;  Meneguelo, R.; Navarro Marques, F. L.; Radin, A.; Filho, O. M. R.; Claro Neto, S.; Chierice, G. O.; Maria, D. A.  Synthetic phosphoethanolamine a precursor of membrane phospholipids reduce tumor growth in mice bearing melanoma B16-F10 and in vitro induce apoptosis and arrest in G2/M phase. Biomedicine & Pharmacotherapy, v. 66, n. 7, p. 541-548, oct 2012.

Ferreira, A. K.; Meneguelo, R.; Pereira, A.; Filho, O. M. R.; Chierice, G. O.; Maria, D. A. Anticancer Effects of Synthetic Phosphoethanolamine on Ehrlich Ascites Tumor: An Experimental Study. Anticancer Research, v. 32, n. 1, p. 95-104, jan 2012.

*Artigo originalmente publicado no diário 'A Gazeta', n. 8.805, p.2, de 20/10/2015.
Publicado por Evandro Ferreira 0 comentários Digg! Link Permanente Envie este artigo para um amigo

0 Comments:

Postar um comentário

Link permanente:

Criar um link

<< Home